Sermão em Atos 1 – Esboço de Pregação

Atos 1 é um capítulo de transição entre os acontecimentos narrados nos evangelhos e as atividades que ocorreram nos primeiros anos da Igreja Primitiva. O livro de Atos dos Apóstolos fala sobre como o evangelho foi anunciado em Jerusalém, se expandiu pelas cidades e regiões vizinhas e depois se espalhou pela Europa. Quem escreveu o livro de Atos foi o evangelista Lucas, companheiro dos apóstolos. Leia a seguir um esboço de pregação de Atos 1.

Atos 1:1-2 – Prólogo

Os dois primeiros versículos constituem uma pequena introdução que liga Atos ao Evangelho de Lucas. Os versículos introdutórios do Evangelho (Lucas 1:1-4) têm a intenção de servir a ambos, o Evangelho e o livro de Atos. Atos 1:1, 2 é um tipo de introdução secundária que retrocede a Lucas 1:1-4, o primeiro livro.

Atos é a segunda parte da obra de dois volumes, Lucas e Atos. O Evangelho contém tudo o que Jesus começou a fazer, e a ensinar. Atos segue o curso do ministério contínuo do Cristo elevado, através do Espírito Santo operando nos apóstolos.

Não sabemos quem era o Teófilo, se um cristão que precisava de mais instrução ou um pagão interessado no cristianismo (Lucas 1:3). Já o versículo 2 é uma referência ao Espírito Santo, e revela a principal nota teológica de Atos: a obra do Espírito Santo.[1]

Atos 1:3-5 – Obedecendo à ordem divina

Nosso Senhor disse aos discípulos a obra que tinham que fazer. Os apóstolos se reuniram em Jerusalém, tendo-lhes mandado Cristo que não saíssem dali, senão que esperassem o derramamento do Espírito Santo. Isto seria um batismo pelo Espírito Santo! Eles receberiam poder para fazer milagres e o poder do Espírito iluminaria e santificaria suas almas.

Isto confirma a promessa divina e nos anima a dependermos dela. Nós temos ouvido tais promessas de Cristo, e n’Ele todas as promessas de Deus são “sim” e “amém”.[3]

Atos 1:6-8 – A evangelização pelo poder do Espírito Santo

Os discípulos esperavam por restauração do reino de Israel. Os discípulos ainda cogitavam a independência política de Israel sob um descendente de Davi (Jesus?). Mas Cristo lhes respondeu:

  1. Não lhes compete saber o tempo (Mateus 24.36; Marcos 13.32; 1 Tessalonicenses 5).
  2. Antes da inauguração do reino milenar todo o mundo deverá ter ouvido o testemunho apostólico acerca do evangelho (Atos 1:8; cf. Apocalipse 20.4).
  3. O reino não será limitado a Israel; abrangerá os confins da terra.

Para tanto, a evangelização seria necessária. No versículo 8 há o anúncio da capacitação do Espírito Santo para a evangelização:

  • Sem o Espírito não há poder milagroso (dunamis).
  • Sem poder não há testemunho eficaz.
  • Sem testemunho não há avanço até aos confins da terra.

Sem tal avanço, Cristo não voltará para estabelecer Seu reino em toda sua plenitude. A expansão da Igreja em Atos acompanha a predição de Cristo. Jerusalém é evangelizada (Atos 1.12-7.60). A Judéia e Samaria também são atingidas (Atos 8.1-40). O evangelho avança sem parar pela terra dos gentios até Roma (Atos 9.1-28.31).[2]

Atos 1:9-11 – A ascensão de Cristo

A ascensão é descrita nos versículos 9-11. Jesus foi elevado da terra às alturas e desapareceu em uma nuvem (Atos 1:9). Encontramos uma nuvem mencionada em relação à transfiguração (Mateus 17:5; Marcos 9:7; Lucas 9:34). A nuvem era um símbolo da glória de Deus.

Enquanto os discípulos tinham os olhos fitos no céu (Atos 1:10) — o verbo “indica um olhar fixo, imóvel, prolongado”‘ — dois varões, que eram anjos, apareceram vestidos de branco (cf. Mateus 28.3; João 20.12). Estes visitantes angelicais anunciavam a segunda vinda de Cristo (Atos 1:11), assim como já haviam anunciado o seu nascimento (Mateus 1.20; Lucas 1.26-35), e a sua ressurreição (Mateus 28.5-7; Marcos 16.5-7; Lucas 24.4-7).[4]

Atos 1:12-14 – A oração dos apóstolos

Deus pode achar lugares de refúgio para seu povo. A Igreja reunida em Jerusalém suplicou. Todo o povo de Deus é um povo de oração. Agora era o momento dos problemas e perigos para os discípulos de Cristo; contudo, se alguém está afligido, ore; isso silenciará suas preocupações e temores.

Eles tinham uma grande obra a fazer. Mas antes que a começassem, eles oraram fervorosamente a Deus pedindo sua presença. Eles estavam esperando o derramamento do Espírito e abundando em oração. Os que estão orando são os que estão em melhor situação para receber bênçãos espirituais.

Cristo tinha prometido enviar logo o Espírito Santo; essa promessa não devia eliminar a oração, senão vivificá-la e alentá-la. Aqui fica o exemplo: um grupo pequeno unido em amor, de conduta exemplar, fervoroso para orar, e sabiamente zeloso para o progresso da causa de Cristo, provavelmente cresça com rapidez.

Atos 1:15-26 – Matias é escolhido como apóstolo

Lucas escreve que estava reunido em Jerusalém um grupo de 120 irmãos. Pedro surgiu como líder natural daquele grupo. Ele se levantou no meio dos irmãos e explicou que era necessário que um substituto a escolha de um substituto para Judas Iscariotes. Em discurso Pedro recorreu aos Salmos 69:25 e 109:8.

Leia também: quem são os 12 apóstolos de Jesus?

O colégio apostólico fora desfeito com o afastamento de Judas, e os apóstolos sentiam a necessidade de escolher um homem que o substituísse.[1] O pecado de Judas não era apenas a sua vergonha e a sua ruína. Seu pecado também criou uma vaga no colégio apostólico.

Jesus ordenou doze apóstolos, assim como também foram instituídas doze tribos em Israel, descendentes dos doze patriarcas. Aos apóstolos são as doze estrelas que compõem a coroa da Igreja.[3] O lugar de Judas Iscariotes não poderia ficar vago.

Eles determinaram as qualificações para a escolha do novo apóstolo. Deveria ser alguém que tinha acompanhado o ministério de Jesus e testemunhado sua ressurreição. A Igreja reunida sob a liderança dos onze apóstolos orou ao Senhor pedindo direção. Então a sorte foi tirada, e o escolhido foi Matias. O método de escolha por lançamento de sorte tem precedentes no Antigo Testamento (Provérbios 16:33).

Naquele contexto histórico específico, antes do derramamento do Espírito Santo, aquele ato foi inteiramente apropriado. Eles oraram e pediram que Deus fizesse a escolha que eles próprios não poderiam fazer. Quem elegeu Matias foi Deus.

Veja também:

Bibliografia para o esboço de pregação de Atos 1

[1] Comentário Bíblico Moody – Novo Testamento.
[2] Bíblia de Estudo Russell Shedd.
[3] Comentário Bíblico Mathew Henry – Novo Testamento.
[4] Comentário Bíblico Beacon – Atos dos Apóstolos.

Fechar