Sermão do Salmo 17 – Esboço de Pregação

O Salmo 17 pode ser considerado uma oração pela interposição divina em favor dos justos. O salmista foi testado por Deus em conduta, em mente e em aprovação, ele manteve a santidade nos caminhos divinos e evitou os atos perversos, por isso ele invoca Deus com confiança.

Ele ora novamente para Deus, o seu Salvador, para que Ele mostre bondade e o mantenha como agradável aos seus olhos. Para que ele possa ser protegido do seus inimigos.

Introdução

Davi não seria um homem segundo o coração de Deus, se ele não fosse um homem de oração. Ele era um mestre na arte sagrada da súplica. Ele voa para a oração em todos os momentos de necessidade, enquanto um piloto acelera para o porto sob o estresse da tempestade.

As orações de Davi eram tão frequentes que não podiam ser todas datadas e autorizadas; e, portanto, isso simplesmente leva o nome do autor, e nada mais. O cheiro da fornalha está no salmo atual, mas há evidências no último versículo de que quem a escreveu saiu ileso da chama. No presente canto lamentável, temos um apelo ao céu das perseguições à terra. Um olho espiritual pode ver Jesus aqui.

Esboço de pregação do Salmo 17:1

Ouve, ó SENHOR, o direito, ouve o meu clamor, ouve a minha oração, que não sai dos lábios fingidos. (Salmos 17:1)

Os homens bons são frequentemente caluniados e incompreendidos e é nesses momentos, que o primeiro versículo deste Salmo se encaixará bem em seus lábios: “Ouça o que é certo, ó Senhor”. E, a todo momento, é uma grande bênção quando um suplicante pode dizer a Deus: minha oração, que não sai dos lábios fingidos.

Deve ser uma coisa terrível orar com lábios que não falam a verdade. Quando os pensamentos dos homens estão longe de suas orações, e eles estão murmurando palavras piedosas, mas seu coração está ausente, que escárnio deve ser aos olhos de Deus, uma oração morta.

É como a criança que foi coberta nos dias de Salomão, que nenhuma das duas mães seria sua, cuidado com as orações mortas. Você pode vesti-las da maneira que quiser, mas se não há vida neles, de que servem?

Esboço de pregação do Salmo 17:2

Que minha sentença saia da tua presença; os teus olhos contemplam as coisas iguais. (Salmos 17:2)

É o apelo de um homem caluniado à mais alta corte, ele leva seu caso ao Tribunal da Corte do Rei e pede ao próprio Deus que dê o veredicto sobre o que ele havia feito. É um bom caso que deverá ser investigado.

Esboço de pregação do Salmo 17:3

Tu provaste o meu coração; tu me visitaste de noite; tu me experimentaste, e nada acharás; Meu propósito é que minha boca não transgrida. (Salmos 17:3)

Feliz é o homem que não teme que Deus venha a ele repentinamente durante a noite, ou atire nele, por assim dizer, a qualquer hora do dia, pois, sempre que vier, encontrará seu servo agindo de tal maneira que ele não se importará com quem examina sua conduta.

Ele mantém os lábios, propondo que isso não transgrida a lei de Deus, e ele está governando todo o seu corpo da mesma maneira. Somente a graça de Deus pode nos permitir fazer isso.

Esboço de pregação do Salmo 17:4

Quanto às obras dos homens, pela palavra dos teus lábios me guardei dos caminhos do destruidor. (Salmos 17:4)

Observe esse versículo! Existe um ensino muito necessário para você. Existem muitos “caminhos do destruidor” neste país e em todo o mundo, e é apenas prestando atenção aos nossos caminhos, de acordo com a Palavra de Deus, que podemos esperar escapar deles.

Quão agradáveis ​​são os “caminhos do destruidor”! Como são suaves e atraente. Todo tipo de supostas delícias e belezas o tentarão seguir por esse caminho, e o coração tolo se inclina prontamente a essas indulgências, mas feliz é o homem cujo julgamento é iluminado pela Palavra de Deus, para que ele a evite e passa pelos “caminhos do destruidor”.

Esboço de pregação do Salmo 17:5

Segure meus passos nos teus caminhos, para que meus passos não escorreguem. (Salmos 17:5)

“Eu sei que estou no teu caminho, mas ó Senhor, me segure! Sou como um cavalo que precisa de um cocheiro cuidadoso, caso contrário, tropeçarei e cairei, em lugares difíceis ou lisos, mantenha meus passos nos teus caminhos, pois talvez caia até lá. Existe em mim muitos pecados, portanto, mantenha meus passos nos teus caminhos, para que meus passos não escorreguem”.

Esboço de pregação do Salmo 17:6-12

Eu te invoquei, pois tu me ouvirás, ó Deus; inclina-me os teus ouvidos e ouve a minha palavra. Mostra a tua maravilhosa benignidade, ó tu que salva pela tua mão direita os que confiam em ti daqueles que se levantam contra eles. Guarda-me como a menina dos olhos, esconde-me à sombra das tuas asas, dos ímpios que me oprimem, dos meus inimigos mortais que me cercam. (Salmos 17:6-12)

Estão encerrados em sua própria gordura, e com a boca falam com orgulho. Eles agora nos cercaram em nossos passos. Fixaram os olhos na terra como um leão ganancioso de sua presa, e como um jovem leão escondido em lugares secretos. Muitos homens piedosos têm inimigos tão cruéis quanto Davi, portanto farão bem em orar como ele:

Esboço de pregação do Salmo 17:13-14

Levanta-te, Senhor, desaponta-o, derruba-o; livra a minha alma dos ímpios, que é a tua espada; dos homens que são a tua mão, ó Senhor, dos homens do mundo, que têm parte nesta vida, e cujos enche a barriga com o teu tesouro escondido; elas estão cheias de filhos e deixam o resto da substância para os bebês. (Salmos 17:13-14)

“O que eu possuo? Qual é a minha porção? Estou cheio de substância, como os homens do mundo, ou tenho pouco da riqueza deste mundo?

Esboço de pregação do Salmo 17:15

Quanto a mim, Contemplarei a tua face em justiça; ficarei satisfeito, quando acordar, com a tua semelhança. (Salmos 17:15)

Essa é a nossa parte. Deus conceda que possamos valorizá-lo cada vez mais! Amém.

Fonte e autor: Salmo 17 traduzido e adaptado de The Treasury of David (O Tesouro de Davi), por C. H. Spurgeon.

Veja também:
Close