Sermão do Salmo 23 – Esboço de Pregação

Esboço de Pregação do Salmo 23. O Salmo 23 é um doce cântico pastoral adequado apenas para a adoração da noite de sábado. Aqui não há barulho de armas, nem barulho de guerra, mas há um delicioso silêncio, apenas quebrado pelo toque suave do sino das ovelhas. Deus nos dê esse doce descanso esta noite!

Introdução do Salmo 23

Não existe título inspirado para este salmo, e não é necessário, pois ele não registra nenhum evento especial e não precisa de outra chave senão aquela que todo cristão pode encontrar em seu próprio seio. É a pastoral celestial de Davi, uma ode superada, que nenhuma das filhas da música pode se destacar.

Podemos imaginar David cantando essa pastoral incomparável com o coração o mais cheio de alegria possível ou, se o salmo for o produto dele depois de anos, temos certeza de que sua alma retornou em contemplação aos riachos de água solitários que ondulavam entre os pastos do deserto, onde nos primeiros dias ela costumava habitar. Esta é a pérola dos salmos cujo brilho suave e puro deleita todos os olhos. Nesta canção deliciosa, pode-se afirmar que sua piedade e sua poesia são iguais, sua doçura e sua espiritualidade são insuperáveis.

A posição deste salmo é digna de nota. Segue-se o vigésimo segundo, que é peculiarmente o Salmo da Cruz. Não há pastos verdejantes, nem águas tranquilas do outro lado do vigésimo segundo salmo. Somente depois de lermos: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” que chegamos a “O Senhor é meu pastor”. Por experiência, devemos conhecer o valor do derramamento de sangue e ver a espada despertada contra o Pastor, antes de podermos realmente conhecer a doçura do cuidado do bom pastor.

Foi dito que o rouxinol é entre os pássaros, que é essa ode divina entre os salmos, pois cantou docemente ao ouvido de muitos enlutados em sua noite de choro, e lhe deu esperança de uma manhã de alegria. Atrevo-me a compará-lo também com a cotovia, que canta enquanto monta, e monta como canta, até desaparecer de vista e, mesmo assim, não escutar.

Observe as últimas palavras do salmo: “Habitarei na casa do Senhor para sempre” essas são notas celestes, mais adequadas para as mansões eternas do que para essas moradas sob as nuvens. Oh, para que possamos entrar no espírito do salmo enquanto o lemos, e então experimentaremos os dias do céu na terra.

Esboço de pregação do Salmo 23:1

O senhor é meu pastor; (Salmos 23:1a)

Todo descanso verdadeiro começa com Jesus, pois todo o conforto das ovelhas é provido pelo seu pastor.

“O senhor é meu pastor.” É assim? Você pode olhar para cima, pobres ovelhas indefesas, e dizer: “O Senhor é meu pastor”? Então vem a abençoada inferência:

Nada me faltará. (Salmos 23:1b)

Ele providenciará para mim, mais ainda, o próprio Deus é minha provisão. Tudo o que preciso e que tenho, pois “o Senhor é meu pastor, nada me faltará”. Não posso me sustentar, mas nada me faltará. A fome pode chegar, e outros que não têm Deus a quem ir, podem se prostrar e perecer, mas na pior época que eu não desejarei, pois “O Senhor é meu pastor”.

Esboço de pregação do Salmo 23:2

Me faz deitar em pastos verdejantes: (Salmos 23:2a)

Sou tão fraco que até preciso da ajuda de Deus para me permitir deitar, mas “Ele me faz deitar”. Sim, o resto da alma é tão difícil de alcançar que ninguém jamais a alcança, exceto pelo poder de Deus. Quem fez os céus deve nos fazer deitar se quisermos realmente descansar.

Que descanso delicioso é quando nos deitamos em seus pastos, sempre verdes! Você já os encontrou secos? Nosso pastor nos faz não apenas alimentar, mas também alimentar que deitamos no meio dos pastos. Há mais do que podemos comer, então o Senhor faz um sofá para nós: “Me faz deitar em pastos verdejantes:”

Me leva ao lado das águas tranquilas. (Salmos 23:2b)

Há, primeiro, a contemplação: “me faz deitar”. Depois, há atividade. “me lidera.” Também há progresso e há provisão para o nosso avanço no caminho celestial: “me leva”. Ele me leva às águas da quietude, não pelas torrentes de excitação, nem pelo lugar de conflitos barulhentos.

“Me leva ao lado das águas tranquilas.” Não, Ele dirige ou se arrasta, mas Ele próprio lidera, indo primeiro para mostrar o caminho. É para mim seguir, felizmente para seguir, onde “Ele me leva ao lado das águas tranquilas”.

Esboço de pregação do Salmo 23:3-4

Refrigera a minha alma: (Salmos 23:3a)

Ele pode fazer isso de uma só vez, restaura, refrigera agora. Ele é um Deus restaurador. “refrigera minha alma.” Ele traz meu espírito errante de volta quando eu abandono seus caminhos e, tendo feito isso, ele me guia com mais cuidado do que antes pela segunda vez, temos a declaração do salmista: “Ele me guia”.

Me conduz pelos caminhos da justiça por causa do seu nome. Sim, embora eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei o mal; (Salmos 23:3a-4)

Embora a sombra da morte paire ao meu redor e ameça meu espírito, embora eu sinta que devo morrer, e não aguente mais a provação atual: “Sim, embora eu ande”, porque eu caminho, não irei acelerar o passo , Não estarei com pressa, não correrei por ela.

Mesmo que a própria morte me ofusque, continuarei minha caminhada com Deus. Embora eu ande pelo vale da sombra da morte, não temerei o mal. Não existe, portanto não terei medo. Muitas vezes sentimos mais medo pelo próprio medo do que por qualquer causa real de medo. Algumas pessoas parecem estar sempre atentas ao medo, onde não há.

Pois Tu estás comigo; (Salmos 23:4b)

Uma ovelha deve ter medo quando o pastor está com ela? Que motivo teme se esse pastor é onisciente, onipotente e cheio de ternura?

A tua vara e o teu cajado me consolam. (Salmos 23:4c)

Tua regra e correção: tua vara, com a qual às vezes sou esperta, teu cajado, com o qual sou apoiado. Estes são os meus confortos, por que eu deveria temer? Você está bebendo toda essa preciosa verdade, queridos amigos?

Você está sentindo isso na experiência mais profunda da sua alma? Este Salmo é muito bom de ler, mas é muito melhor escrever a partir de sua própria experiência. Faça disso uma música sua, não apenas uma música do livro, mas uma música para vocês mesmos.

Esboço de pregação do Salmo 23:5

Preparas uma mesa diante de mim na presença dos meus inimigos. (Salmos 23:5)

Há uma luta em andamento, e há inimigos por toda parte. Você geralmente não tem mesas colocadas na hora da batalha, mas Deus mantém seu povo tão calmo em meio ao grito desconcertante, tão confiante na vitória que, mesmo na presença de seus inimigos, uma mesa se espalha com todo o estado de um banquete real.

“Você prepara uma mesa.” Há uma mesa em cima da mesa, os ornamentos e todos os acompanhamentos de um banquete: “Preparas uma mesa diante de mim na presença de meus inimigos”. Eles podem olhar se quiserem, eles podem sorrir, podem querer devorar, mas não podem se sentar à mesa e não podem me impedir de sentar nela.

Deixem tocar suas trombetas, disparem suas armas: “Preparas uma mesa diante de mim na presença dos meus inimigos. É o próprio ápice da segurança e do repouso que é descrito aqui. Não conheço nenhuma expressão, nem mesmo a de deitar em pastos verdejantes, que é mais cheia de tranquilidade do que isso: “Tu preparas a mesa diante de mim na presença dos meus inimigos”.

Unges a minha cabeça com óleo; (Salmos 23:5b)

Em algumas festas, eles derramaram unguentos perfumados na cabeça dos convidados, para que Deus não deixasse nada de fora para a alegria e o conforto de seu povo. “Unges a minha cabeça com óleo.” Você terá iguarias e itens necessários. Você terá alegria e segurança, você deve estar preparado para o serviço, bem como preservado da destruição.

Meu cálice transborda. (Salmos 23:5c)

Não tenho apenas o que desejo, mas tenho mais, não apenas tudo o que posso segurar, mas algo de sobra: “Meu cálice transborda.” Se esse é o seu caso, querido amigo, deixe-o transbordar de alegria agradecida, e se você tiver mais da substância deste mundo do que precisa, peça aos pobres e necessitados que venham pegar o que flui.

Esboço de pregação do Salmo 23:6

Certamente, (Salmos 23:6a)

Essa é outra das inferências do salmista e muito certa. Ele não diz “Talvez”, mas “Certamente”

A bondade e a misericórdia me seguirão todos os dias da minha vida: (Salmos 23:6b)

Aqui está um príncipe do sangue real do céu, com a presença de dois guarda-costas: bondade e misericórdia, que ficam bem atrás dele. Estes são os noivos que cavalgam nos cavalos da salvação: “Certamente a bondade e a misericórdia me seguirão.”

“Bondade” prover para mim e a “Misericórdia” para apagar meu pecado. “A bondade e a misericórdia me seguirão” não apenas de vez em quando, mas “todos os dias da minha vida”. Quando fico grisalho e fraco, e preciso me apoiar pesadamente em meu cajado, esses anjos gêmeos estarão logo atrás para me sustentar e me sustentar.

E habitarei na casa do SENHOR para sempre. (Salmos 23:6c)

Mesmo enquanto eu estiver aqui neste mundo, eu serei “Não mais um estranho ou um convidado, mas como uma criança em casa”, habitando com Deus, e pouco a pouco, no sentido mais amplo, “habitarei na casa do Senhor para sempre”.

Eu sempre comparo este Salmo a uma cotovia. Começa no chão entre as ovelhas, mas sobe até que você possa ouvir suas benditas notas ecoando entre as estrelas: “Habitarei na casa do Senhor para sempre.” Tem seu ninho na grama dos pastos verdes, mas voa como as músicas mais doces subindo até o céu: “Habitarei na casa do Senhor para sempre”. Deus conceda que essa seja a parte de cada um de nós, pelo seu grande nome! Amém.

Bibliografia do Esboço de Pregação

  • Fonte e autor: Salmo 23 traduzido e adaptado de The Treasury of David (O Tesouro de Davi), por C. H. Spurgeon.
Veja também:
Close