Sermão do Salmo 9 – Esboço de Pregação

Salmos 9 e 10 talvez tenham sido originalmente um único poema, organizado em ordem alfabética, no hebraico. Na septuaginta constituem um único salmo. Para o mestre de música. De acordo com muth-laben. Salmo davídico.

Introdução

Ao músico-chefe de Muth-labben, um salmo de Davi. O significado deste título é muito duvidoso. Pode se referir à música em que o Salmo deveria ser cantado, assim pensam Wilcocks e outros, ou pode se referir a um instrumento musical agora desconhecido, mas comum naqueles dias, ou pode ter uma referência a Ben, mencionado em 1 Crônicas 15:18, como um dos cantores levíticos.

Se qualquer uma dessas conjecturas estiver correta, o título de Muth-Labben não tem ensinamentos para nós, exceto que ele nos mostra o quão cuidadoso Davi foi que, na adoração a Deus, tudo deve ser feito de acordo com a devida ordem.

De uma considerável companhia de testemunhas instruídas, concluímos que o título terá um significado muito mais instrutivo, sem ser forçado de forma fantasiosa. Isso significa um Salmo referente à morte do Filho. Os caldeus “referiram-se a Golias de Gate, ou algum outro filisteu, por causa da morte de muitos que supõem que este Salmo tenha sido escrito depois de anos por David.

Acreditando que dentre mil suposições isso é pelo menos tão consistente com o sentido do Salmo quanto qualquer outro, nós o preferimos e o mais especialmente porque nos permite referi-lo misticamente à vitória do Filho de Deus sobre o campeão do mal, até ao inimigo das almas (Salmos 9: 6).

Temos aqui diante de nós, evidentemente, um hino triunfal que fortaleça a fé do crente militante e estimule a coragem do santo tímido, como ele vê aqui O CONQUISTADOR, em cuja vestimenta e coxa está escrito o nome Rei dos reis e Senhor dos senhores.

ORDEM. Bonar observa: “A posição dos Salmos em sua relação um com o outro é frequentemente notável”. É questionado se o arranjo atual deles era a ordem a que foram dados a Israel, ou se algum compilador posterior, talvez Esdras, foi inspirado a atender a esse assunto, bem como a outros pontos relacionados ao cânon. Sem tentar decidir esse ponto, basta observar que temos provas de que a ordem dos Salmos é tão antiga quanto a conclusão do cânon e, nesse caso, parece óbvio que o Espírito Santo desejou que este livro se resumisse a: nós em sua ordem atual. Fazemos estas observações, a fim de chamar a atenção para o fato de que, quando o oitavo alcançou a última linha do sétimo, este nono Salmo se abre com uma aparente referência ao oitavo:

“Louvarei a ti, ó Senhor, com todo o meu coração; mostrarei todas as tuas maravilhosas obras. Ficarei contente e me alegrarei em ti’.

(Compare Cântico de Salomão 1:4 a Apocalipse 19:7) Cantarei ao TEU NOME, ó Altíssimo. “Salmos 1:1-6 e Salmos 2: 1-12.

Como se “O Nome”, tão elogiado no antigo Salmo, ainda estivesse tocando no ouvido do doce cantor de Israel. E nos Salmos 9:10, ele volta a ele, celebrando a confiança deles que “conhecem” esse “nome” como se sua fragrância ainda respirasse na atmosfera ao redor.

Esboço de pregação do Salmo 9:1

Eu te louvarei, ó Senhor, com todo o meu coração; Mostrarei todas as tuas maravilhosas obras (Salmos 9:1)

Tudo bem se resolvermos também que louvaremos ao Senhor. A maioria das pessoas tem algo ou alguém para louvar, então vamos selecionar o Senhor, mesmo Jeová, como o assunto de nossa música. Vamos resolver que o louvaremos continuamente, pois às vezes pode ser difícil fazê-lo.

O coração pode estar muito pesado, pode até estar inclinado à rebelião e murmuração, mas tomemos esta forte resolução, no poder da graça de Deus: “Mostrarei todas as tuas maravilhosas obras”. Aqui há espaço para uma grande variedade de louvor, e aqui estão tópicos abundantes para louvor, pois não há obra de Deus que não seja maravilhosa e digna de ser louvada com todo o coração.

Então, Senhor, não vou ser burro. Tu me deste uma língua, não sou como as bestas brutas que não podem falar. Minha língua é a glória do meu corpo, assim, mostrarei todas as tuas obras maravilhosas.

Esboço de pregação do Salmo 9:2

Eu te louvarei, ó Senhor, com todo o meu coração; Mostrarei todas as tuas Ficarei contente e me alegrarei em ti; cantarei louvores ao teu nome, ó Altíssimo (Salmos 9:2)

Levanta-te, então, minha alma, dos lugares escuros do teu desânimo. Suba, meu espírito caído, para algo mais alto e melhor. Se você não pode se alegrar em mais nada, seja alegre em seu Deus, alegre-se por ter um Deus, e tal Deus, e por ele ainda ser seu Deus.

Tudo o que você pode ter perdido, você não o perdeu. “Ficarei contente e me alegrarei.” A reduplicação das palavras indica uma dupla alegria, uma dupla alegria, como o apóstolo diz: “Alegrai-vos sempre no Senhor; e novamente digo: Alegrai-vos”. Se alegrem duas vezes, pois você tem duas razões para se regozijar no Senhor.

Esboço de pregação do Salmo 9:3

Eu te louvarei, ó Senhor, com todo o meu coração; Mostrarei todas as tuas Quando meus inimigos voltarem, eles cairão e perecerão diante da tua presença (Salmos 9:3)

Tanto quanto dizer: “A presença de Deus é suficiente para fazer meus adversários fugir, sim, e totalmente para eliminá-los”. ​​Como John Wesley disse: “O melhor de tudo é que Deus está conosco e se Deus está conosco, pouco importa para nós que somos contra nós”.

Esboço de pregação do Salmo 9:4

Pois conservaste o meu direito e a minha causa; tu estás sentado no trono julgando direito (Salmos 9:4)

“Você manteve meu direito”. Se Davi cantou assim depois de ter atirado a pedra de sua tipóia no crânio de Golias, ele poderia muito bem exaltar o nome do Senhor, que havia mantido os direitos de seu povo, e colocar o campeão incircunciso dos filisteus em confusão e morte.

Esboço de pregação do Salmo 9:5-6

Repreendeste os gentios, destruíste os ímpios e apagaste o nome deles para todo o sempre (Salmos 9:5)

Você pode conceber Davi, parado na forma prostrada de seu inimigo caído, e olhando para aquele semblante gigantesco e aqueles membros poderosos, gritando: “Ó inimigo”

Esboço de pregação do Salmo 9:6-7

O inimigo foi totalmente arrasado, para sempre; para todo o sempre apagaste o nome deles. O Senhor reina para sempre; estabeleceu o seu trono para julgar (Salmos 9:6-7)

“Você destruiu cidades”, mas não pôde destruir Deus. Quando desafiasses os exércitos de outras nações, podias facilmente derrotá-los, mas quando desafiasses o Deus vivo, havia um fim de ti, pois não poderias vencê-lo, nem vencer o seu povo.

Bendito seja Deus por isso, nossa fé é fundada sobre uma rocha que nunca será removida, e nossa confiança é fixada em Aquele que nunca pode falhar conosco, e cuja verdade deve permanecer firme para sempre.

Esboço de pregação do Salmo 9:8-10

E ele julgará o mundo em retidão, ele ministrará julgamento ao povo em retidão. O Senhor também será um refúgio para os oprimidos, um refúgio em tempos de angústia. E os que conhecem o teu nome confiarão em ti (Salmos 9:8-10)

A base da fé é o conhecimento, e não há conhecimento como o que vem da experiência. Se você conhece o nome de Deus como Jeová, o Deus auto-existente e sempre vivo, você terá boas razões para confiar nele e então, se você conhece seus muitos nomes preciosos, como Jeová-Tsidkenu, o Senhor, nossa Justiça, Jeová-Nissi, o Senhor, minha bandeira, Jeová-Jireh, o Senhor proverá, Jeová-Shalom, o Deus pacificador, e Jeová-Shammah, o Deus que está lá onde está o seu povo, sim, se algum nome de Deus for totalmente entendido por você, você coloque sua confiança nele.

Esboço de pregação do Salmo 9:11-12

Cante louvores ao Senhor, que habita em Sião; declare entre o povo os seus feitos. Quando faz inquisição por sangue, lembra-se deles (Salmos 9:11-12a)

Quando o grande inquérito do legista for realizado sobre todos os que sofreram injustamente, a comissão será aberta por uma investigação sobre o sangue dos mártires: “Quando ele faz uma inquisição por sangue, ele se lembra deles”. Vidas pelo bem da verdade, acharão que o sangue deles era precioso aos seus olhos.

Ele não esquece o clamor dos humildes (Salmos 9:12b)

Não há consolo nessas palavras para alguns de vocês? Você foi humilhado e derrubado do seu lugar alto, agora então, é sua hora de chorar e quando você o fizer, provará que “ele não esquece o clamor dos humildes”. Muitos há que dão ouvidos às petições de seus semelhantes necessitados, e sentem sua dor por um tempo, mas eles estão envolvidos nos negócios ou ocupados de outras maneiras e logo esquecem.

Outras coisas impedem a petição do necessitado, e ele fica sem ajuda. Mas nunca é assim com Deus: “Ele não esquece o clamor dos humildes”. Observe, no versículo seguinte, como Davi se vale dessa verdade. Ele parece dizer: “É verdade que Deus não esquece o clamor dos humildes? Então clamarei a ele, e meu humilde clamor subirá ao seu ouvido e ao seu coração”.

Esboço de pregação do Salmo 9:13

Tende piedade de mim, ó Senhor; (Salmos 9:13a)

Que oração abençoada que é essa, uma oração útil em todas as ocasiões. Sob um senso de pecado ou sob uma carga de tristeza, sobrecarregada com trabalho ou esmagada com desânimo. É uma oração que é como a espada dos querubins, que girava em todos os sentidos. Você pode usá-lo como quiser: “Tende piedade de mim, ó Senhor”.

Considera a minha angústia que sofro daqueles que me odeiam, tu que me ergueste das portas da morte (Salmos 9:13b)

Que elevador, que foi levantado dos portões da morte para a vida e, finalmente, para o céu. Que Deus todo poderoso, nosso Senhor, prova estar a um elevador morto. Quando todos os outros braços estão paralisados, ele vem até nós e nos levanta dos portões da morte.

Esboço de pregação do Salmo 9:14-16

Para que eu mostre todos os teus louvores nas portas da filha de Sião (Salmos 9:14)

Dos portões da morte aos portões de Sião, está o elevador que Deus dá ao seu pobre povo sofredor.

Eu me regozijarei em tua salvação. Os gentios afundaram-se na cova que fizeram (Salmos 9:14-15a)

Se você imaginar Davi com a carcaça do gigante diante dele, os filisteus fugiram ignominiosamente e os israelitas em plena perseguição depois deles, você pode entender o que ele disse: “Os gentios afundaram na cova que fizeram”.

Na rede que eles esconderam, o próprio pé é levado. O Senhor sabe pelo juízo que executa: o ímpio é enredado na obra de suas próprias mãos.(Salmos 9:15b-16)

O provável significado dessas palavras é: “Considere e faça uma pausa”. São descansos musicais, talvez, mas eles também nos sugerem como é bom, em nossa leitura das Escrituras, às vezes parar um pouco e digerir interiormente as palavras que lemos.

Esboço de pregação do Salmo 9:17

Os ímpios serão transformados em inferno, e todas as nações que se esquecem de Deus (Salmos 9:17)

Mesmo que não sejam tão perversos quanto os outros homens, o esquecimento de Deus é a mais alta forma de injustiça para eles, é traição contra a majestade do céu, está roubando a Deus o que é seu direito é uma combinação de tudo que é mau.

Esboço de pregação do Salmo 9:18-20

Pois os necessitados nem sempre serão esquecidos: a expectativa dos pobres não perecerá para sempre. Levanta-te, Senhor, que o homem não prevaleça; sejam julgados os gentios aos teus olhos. Teme-os, SENHOR, para que as nações se conheçam como homens (Salmos 9:18-20)

Eles se gabam de serem homens e de se deixarem como homens. No entanto, eles devem saber que, embora sejam homens, são apenas homens, com todas as enfermidades e imperfeições dos homens, e que existe um Deus que, no devido tempo, fará com que os homens saibam que eles são apenas homens, e que o melhor dos homens não passa de homens no seu melhor.

Faça uma pausa novamente, pense sobre o que estamos lendo e levante seu coração em oração a Deus, buscando a ajuda do Espírito Santo para aplicar a verdade à sua alma.

Fonte e autor: Salmo 9 traduzido e adaptado de The Treasury of David (O Tesouro de Davi), por C. H. Spurgeon.

Veja também:
Close