Sermão do Salmo 18 – Esboço de Pregação

Salmos 18 para o mestre de música. De Davi, servo do Senhor. Ele cantou as palavras deste cântico ao Senhor quando este o livrou das mãos de todos os seus inimigos e das mãos de Saul.

Introdução

Ao Músico Chefe, um Salmo de Davi, servo do Senhor, que falou ao Senhor as palavras desta canção no dia em que o Senhor o libertou da mão de todos os seus inimigos e da mão de Saul. Temos outra forma deste salmo, com variações significativas (2 Samuel 22: 1-51), e isso sugere a ideia de que ele foi cantado por Davi em momentos diferentes quando ele revisou sua própria história notável e observou a mão graciosa de Deus em tudo isso.

Como o hino de Addison, “Quando todas as tuas misericórdias, ó meu Deus”, este Salmo é a canção de um coração agradecido, dominado por uma retrospectiva das múltiplas e maravilhosas misericórdias de Deus. Vamos chamá-lo de GROSSO RETROSPECTO. O título merece atenção. Davi, embora neste momento seja rei, chama a si mesmo de “servo de Jeová”, mas não faz menção à sua realeza, portanto concluímos que ele considerou uma honra maior ser servo do Senhor do que ser rei de Judá.

Certo, sabiamente, ele julgou. Sendo possuidor de gênio poético, ele serviu ao Senhor compondo este Salmo para o uso da casa do Senhor e não é tarefa fácil conduzir ou melhorar essa parte deliciosa da adoração divina, o canto dos louvores do Senhor. Queria que mais habilidade musical e poética fosse consagrada, e que nossos principais músicos estivessem aptos a confiar na salmodia devota e espiritual.

Deve-se observar que as palavras desse cântico não foram compostas com o objetivo de satisfazer o gosto dos homens, mas foram ditas a Jeová. Tudo bem se tivéssemos um olho mais único para a honra do Senhor em nosso canto e em todos os outros exercícios consagrados.

Esse louvor tem pouco valor que não é dirigido apenas e de coração ao Senhor. Assim, Davi poderia ser direto em sua gratidão, pois devia tudo a seu Deus e, no dia de sua libertação, não tinha a quem agradecer senão o Senhor, cuja mão direita o preservara. Nós também devemos sentir que a Deus e somente a Deus devemos a maior dívida de honra e ação de graças.

Se for lembrado que o segundo e o quadragésimo nono versos são citados no Novo Testamento (Hebreus 2:13, Romanos 15: 9) como as palavras do Senhor Jesus, ficará claro que um maior que Davi está aqui . Leitor, você não precisará de nossa ajuda a esse respeito; se você conhece Jesus, ele o encontrará facilmente em suas tristezas, libertação e triunfos por todo esse maravilhoso salmo.

Este Salmo 18 será melhor compreendido se for visto como uma figura em cinco partes:

  • (Salmos 18:1-3): são o proem ou prefácio em que a determinação de abençoar a Deus é declarada. A entrega da misericórdia é mais poeticamente exaltada nos Salmos
  • (Salmos 18:4-19): A entrega da misericórdia é mais poeticamente exaltada
  • (Salmos 18:20-28): alegre cantor, protesta que Deus havia agido com retidão, favorecendo-o
  • (Salmos 18:29-45): Cheio de alegria agradecida, ele novamente retrata sua libertação e antecipa futuras vitórias
  • (Salmos 18:46-50): e no encerramento fala com evidente previsão profética dos gloriosos triunfos do Messias, a semente de Davi e o ungido do Senhor.

Leia também: estudo sobre Davi: A vida do rei Davi

Esboço de pregação do Salmo 18:1-3

Eu te amarei, SENHOR, minha força. O SENHOR é minha rocha, minha fortaleza e meu libertador; meu Deus, minha força em quem eu vou confiar; meu pavilhão, e meu chifre de minha salvação, e minha torre alta. Invocarei o Senhor, que é digno de louvor; assim serei salvo dos meus inimigos. (Salmos 18:1-3)

A princípio, ele diz: “Eu te amarei”; depois, “Eu confio em ti”; agora ele diz: “Eu te invocarei” e esse apelo a Deus é especialmente no sentido de louvá-lo e quando você acaba de experimentar uma libertação divina, quão cheio é o seu espírito de gratidão sagrada.

Esboço de pregação do Salmo 18:4-7

As tristezas da morte me cercaram, e as inundações de homens ímpios me assustaram. As tristezas do inferno me cercaram: as armadilhas da morte me impediram. Na minha angústia, invoquei o Senhor e clamei ao meu Deus; ele ouviu a minha voz do seu templo, e o meu clamor veio diante dele, até os seus ouvidos. Então a terra tremeu e tremeu; os fundamentos das colinas também se mexeram e foram abalados, porque ele se indignou. (Salmos 18:4-7)

Deus ficou zangado com Saul e com todos os perseguidores de Davi porque eles caçavam aquele homem bom como uma perdiz nas montanhas. A oração do pobre suplicante provocou a ira de Deus sobre seus adversários.

Esboço de pregação do Salmo 18:8

Saiu fumaça de suas narinas e devorou ​​fogo de sua boca: brasas foram acesas por ela. (Salmos 18:8)

Esta é uma imagem maravilhosa da ira de Deus. Os hebreus sempre relacionavam manifestações de raiva com o nariz e a boca, assim como atribuíam várias paixões e sentimentos aos diferentes membros do corpo. Então Davi diz: “Saiu uma fumaça das narinas e o fogo da boca devorou”.

Alguém pergunta: “A oração pode mover Deus dessa maneira?” Sim, parece que sim. É claro que Davi teve que falar da maneira dos homens, pois não há outra maneira pela qual os homens possam falar, então ele descreve Deus como sendo assim despertado pelo grito de seu pobre filho quando ele surgiu em seus ouvidos.

Nada traz à tona o rosto de um homem como um ferimento causado a seu filho, e Deus, como pai, não pode suportar que seus filhos sejam machucados. “Aquele que toca você toca a menina dos seus olhos.”

Esboço de pregação do Salmo 18:9-10

Também inclinou os céus e desceu; e havia trevas debaixo de seus pés. E cavalgou sobre um querubim e voou; sim, voou sobre as asas do vento. (Salmos 18:9-10)

Tão rápido é Deus para libertar seu povo perseguido.

Esboço de pregação do Salmo 18:11-13

Ele fez da escuridão seu lugar secreto; seu pavilhão ao seu redor eram águas escuras e nuvens espessas dos céus. Ao brilho que estava diante dele, suas nuvens espessas passaram, granizo pedras e brasas de fogo. O Senhor também trovejou nos céus, e o Altíssimo deu a sua voz; granizo tempestades e brasas de fogo. (Salmos 11-13)

Contemple a terrível artilharia do céu quando Deus lança suas terríveis armas contra os inimigos do seu povo e derrama explosões quentes de seu elevado bastião: “saraiva e brasas de fogo”.

Esboço de pregação do Salmo 18:14-15

Sim, ele enviou suas flechas e as espalhou; e ele disparou relâmpagos, e os desconcertou. Então foram vistos os canais das águas, e os fundamentos do mundo foram descobertos à tua repreensão, ó Senhor, ao sopro das tuas narinas. (Salmos 18:14-15)

O salmista está evidentemente descrevendo a passagem do Mar Vermelho e comparando a descida de Deus à sua ajuda individual àquela memorável descida de Deus ao resgate de todo o seu povo. E, de fato, Deus é tão grande em sua ajuda para um como em sua ajuda para todos. Ele nunca é pequeno.

Quando Deus ajuda você, meu irmão, ele é um grande Deus, e deve ser muito louvado, tanto quanto quando ele vem em socorro de uma nação inteira. Portanto, cante ao Senhor, cujo braço está levantado para você, mesmo para você, tão verdadeiramente quanto foi levantado sobre Israel quando os tirou do Egito “com mão forte, e com braço estendido, e com grande força. terror.”

Esboço de pregação do Salmo 18:16

Ele enviou de cima, ele me levou, ele me tirou de muitas águas. (Salmos 18:16)

O Senhor fez outro Moisés dele. A filha do faraó deu o nome de Moisés, ou seja, um deles, à criança que foi trazida a ela, “porque”, disse ela, “eu o tirei da água”.

Esboço de pregação do Salmo 18:17

Ele me livrou do meu forte inimigo e daqueles que me odiavam; porque eles eram fortes demais para mim. (Salmos 18:17)

Essa é a razão pela qual Deus interpôs em nome de Davi? Então, que todos os seus filhos fracos encontrem conforto no fato de que, quando nossos inimigos forem fortes demais para nós, Deus virá e nos libertará.

Sejamos gratos pelos fardos pesados ​​demais para suportarmos e os joguemos sobre os ombros onipotentes que podem sustentá-los facilmente. Se pudéssemos viver sem Deus, deveríamos viver sem Deus; mas como não podemos, Deus virá até nós e nos ajudará e libertará.

Esboço de pregação do Salmo 18:18-19

Eles me apresentaram no dia da minha calamidade; mas o Senhor foi a minha estada. Ele também me trouxe a um lugar grande; ele me livrou, porque se deleitava comigo. (Salmos 18:18-19)

Que sensação de amor divino traz a graça de Deus. Talvez Davi nunca soubesse o quanto Deus se deleitava com ele se ele não estivesse tão angustiado e não tivesse tido uma libertação tão grande.

Esboço de pregação do Salmo 18:20-24

O SENHOR me recompensou conforme a minha justiça; conforme a pureza das minhas mãos ele me recompensou. Pois guardei os caminhos do Senhor, e não me apartei impiamente do meu Deus.Pois, todos os seus juízos estavam diante de mim, e eu não me guardei os seus estatutos. Eu também estava de pé diante dele, e me escondi da minha iniquidade. Por isso me retribuiu o SENHOR conforme a minha justiça, conforme a pureza das minhas mãos diante dele. (Salmos 18:20-24)

Se Deus lhe der graça para ser honesto, verdadeiro e firme no tempo da tentação, você pode estar certo de que Ele o libertará de fato, ele já operou a maior parte de sua libertação, impedindo-o de pecar. A pior coisa que um problema pode fazer por um cristão é carregá-lo de pé e fazê-lo abandonar sua integridade.

Esboço de pregação do Salmo 18:25-27

Com os misericordiosos, mostras-te misericordioso; com um homem reto tu te mostrares em pé, com o puro tu te mostras puro; e com a frente tu te mostras para a frente. Pois tu salvarás o povo aflito; mas vai derrubar olhares altos. (Salmos 25-27)

Se sua fé não pode suportar provas e tentativas, ela é apenas uma fé fraca. Não serve para morrer se não for para conviver. Mas se você chorar ao Senhor, e Ele lhe permitir, no momento de sua angústia, ser fiel a Ele, Ele certamente lhe dará libertação mais cedo ou mais tarde.

Esboço de pregação do Salmo 18:28-37

Pois tu acenderás a minha vela; o Senhor meu Deus iluminará as minhas trevas. Pois por ti atravessei uma tropa; e pelo meu Deus eu pulei sobre um muro. Quanto a Deus, o seu caminho é perfeito. (Salmos 18:28-30a)

Se você praticar autoconfiança, mas não confiar em Deus, certamente falhará. Que força fraca é essa que não vem de Deus! É digno do nome da força? Não é impotência e impudência combinadas? Que Deus nos impeça de imaginar que podemos fazer algo à parte dele.

Ao mesmo tempo, que seu gracioso Espírito trabalhe em nós a certeza de que podemos fazer tudo o que ele nos pede quando é nosso ajudante. David tinha essa confiança, porque ele continua cantando.

Ele é um escudo para todos os que nele confiam. Pois quem é Deus senão o SENHOR? ou quem é uma pedra salva nosso Deus? É Deus que me cinge com força e aperfeiçoa o meu caminho. Ele faz os meus pés como os das patas traseiras, e me coloca nos meus lugares altos. Ele ensina minhas mãos à guerra, de modo que um arco de aço é quebrado pelos meus braços. Também me deste o escudo da tua salvação; e a tua mão direita me levantou, e a tua benignidade me engrandeceu. Aumentaste os meus passos debaixo de mim, para que meus pés não escorregassem. Persegui os meus inimigos e os derrubei; não me voltei até que fossem consumidos. (Salmos 18:30b-37)

Lembre-se de que essa é a música de um soldado, uma música sob a antiga aliança quando os homens podem lutar como não podem lutar agora. Devemos, portanto, espiritualizar essa canção de guerra antiga enquanto a lemos.

Esboço de pregação do Salmo 18:38-45

Feri-os a ponto de não poderem subir: caíram aos meus pés. Pois me cinges de força na batalha; subjugaste debaixo de mim os que se levantaram contra mim. Também me deste o pescoço dos meus inimigos; para que eu possa destruir aqueles que me odeiam. Eles clamaram, mas não havia quem os salvasse; sim ao Senhor, mas ele não lhes respondeu. Então os esmigalhei como o pó diante do vento; expulsei-os como a sujeira das ruas. Tu me livraste das lutas do povo; e tu me fizeste cabeça dos gentios; um povo que eu não conhecia me servirá. Assim que me ouvirem, eles me obedecerão; os estrangeiros se submeterão a mim. Os estrangeiros desaparecerão e terão medo de seus lugares próximos. (Salmos 18:38-45)

E aconteceu que os filisteus tinham medo de Davi, e ele libertou seu povo dos ataques de todos os invasores, e lhes trouxe a paz abençoada que Salomão desfrutou com eles.

Esboço de pregação do Salmo 18:46-50

Vive o SENHOR, e bendita seja a minha rocha; e exalte o Deus da minha salvação. É Deus que me vinga e subjuga o povo debaixo de mim. Ele me livra dos meus inimigos; sim, tu me elevas acima dos que se levantam contra mim; tu me livraste do homem violento. Portanto, ó SENHOR, te louvarei entre os gentios, e cantarei louvores ao teu nome. Grande libertação ele dá a seu rei; e dá misericórdia ao seu ungido, a Davi e à sua descendência para sempre. (Salmos 46-50)

Davi canta ao Senhor pois Deus o livra de seus inimigos. Ele portanto canta: “ó SENHOR, te louvarei entre os gentios, e cantarei louvores ao teu nome. Grande libertação ele dá a seu rei; e dá misericórdia ao seu ungido, a Davi e à sua descendência para sempre”.

  • Fonte e autor: Salmo 1 traduzido e adaptado de The Treasury of David (O Tesouro de Davi), por C. H. Spurgeon.
Veja também:
Close